domingo, 20 de janeiro de 2019

Presentes do Mestre



João 14

Introdução: estamos na primeira semana do ano novo. Sempre que iniciamos um ciclo, nos enchemos de expectativas. Estamos diante de um novo período e cremos que Deus quer fazer dessa etapa de nossas vidas um tempo de crescimento e conquistas. Todavia, ainda que saibamos de antemão que o projeto de Deus para os seus filhos sempre será o melhor, por outro lado sabemos também dos desafios que teremos de enfrentar. Por esta razão é importantíssimo estar firmados nas promessas que Ele nos fez.

Logo após ter ceado com os seus discípulos, sabendo Jesus que estava para concluir o seu ministério e que seus servos iniciariam uma nova etapa, o Mestre começou a animá-los fazendo-lhes promessas. Cada palavra foi um verdadeiro presente para os discípulos, tudo o que Jesus estava lhes dando tinha  como objetivo firmá-los no caminho e fazê-los vencer os obstáculos que surgiriam.

Vejamos, então, o que Jesus deu aos seus discípulos a fim de que o nosso coração também seja fortalecido.

Deu-lhes a fé – no verso 1, Jesus diz aos discípulos que não se preocupassem, mas cressem nele e no Pai. Jesus diz que na casa do Pai há muitas moradas e que Ele estava indo preparar lugar para eles. O Mestre desperta a fé daqueles homens mostrando-lhes que a eternidade estava garantida. A promessa que Ele fez se tornou a razão para que acreditassem e confiassem nele e no Pai. Nesse capítulo, Jesus usa o verbo crer seis vezes, mostrando o valor que a fé tem em nossa relação com Ele. Durante três anos, a presença física de Jesus dava aos seus discípulos a segurança que eles precisavam. Agora, com a sua volta para junto do Pai, os discípulos seriam sustentados pela fé na promessa do Senhor.

Deu-lhes a promessa da sua volta – em segundo lugar, no verso 18, Jesus diz que os seus discípulos não seriam abandonados. Ele aumenta a confiança e a esperança daqueles homens prometendo que iria voltar. A volta de Jesus também expressa o compromisso que Ele tem conosco e com a sua obra. Saber que Jesus vai voltar além de nos motivar, deve despertar em nós o desejo de levá-lo a sério e de vivermos uma vida comprometida com Ele.

Deu-lhes direção – nos versos 4, 5 e 6, ao ser indagado por Tomé sobre o caminho para chegar ao Pai, Jesus dá aos seus discípulos a direção que todo ser humano necessita. O Senhor não os deixou desorientados, mas mostrou como se chega ao Pai. Jesus é o novo e vivo caminho, a nossa confiança em sua obra redentora transforma a vida e nos põe num caminho seguro em direção ao Pai amoroso. Em Cristo nós temos direção para viver. Ele não nos deixará entrar na rota da desorientação. Nele recebemos sabedoria e orientação para seguirmos em frente.

Deu-lhes a promessa de um ministério fecundo – no verso 12 Jesus dá aos discípulos uma promessa tremenda: “... aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará ...”. Em outras palavras, Jesus prometeu um ministério fecundo com obras semelhantes às realizadas por Ele e obras até mesmo maiores. Esse é um projeto que Deus tem para todos os seus filhos, vê-los produzindo em abundância.

Deu-lhes um instrumento poderoso chamado oração – nos versos 13 e 14, Jesus diz: “E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho”. Jesus estabelece a oração como um instrumento poderoso para alcançarmos nossas metas, garantindo que as súplicas dos discípulos seriam ouvidas. Dessa forma, Ele nos estimula a orar, a depositar com confiança as nossas petições em suas mãos.

Deu-lhes o Espírito Santo – nos versos 16 e 26, encontramos o maior de todos os presentes. Jesus diz aos discípulos que o Pai lhes daria o Espírito Santo para consolá-los e ensiná-los. Eles se tornariam morada do Espírito e viveriam pelo poder de Deus. O Espírito Santo é a grande bênção dada por Jesus, a sua presença em nós é a garantia de que continuaremos no caminho e viveremos a vida de Deus.

Deu-lhes a sua paz – o verso 27 diz: “Deixo-vos a paz, a minha paz  vos dou”. Por último, Jesus entrega aos seus discípulos a sua paz. A paz de Jesus é a reconciliação que temos com Deus, a certeza de que fomos justificados e nenhuma acusação há sobre nós. A paz não é a ausência de problemas, mas a ausência de acusação. Mesmo tendo que enfrentar as dificuldades dessa vida, recebemos dele a paz que tranquiliza a nossa alma e nos faz permanecer inabaláveis.



Laerte Cardoso

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial